quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Não Sei Se Isto É Uma Carta De Despedida



E a história repete-se, mil e quinhentas vezes por mil e quinhentas vezes, e nunca ficas. Pedes-me para me aproximar de mancinho mas abalas a correr, quando nunca quero que vás. Sei que é chato, mas um dia ainda hás-de perceber o que perdes por não aproveitar coisa tão saborosa como poderíamos ser, já nem falo de paixão mas pelo menos amor sincero e de coração.

Tenho desabafado com pessoas que, apesar de não conhecer à anos, me são queridas e me aconselharam; e foi então que percebi o que já à muito deveria ter percebido, e foi exatamente a sensação que tive quando te vi da última vez: talvez isto não seja mais do que aquele amor honesto de amizade - mas isto faz-me questionar; no outro dia disseram-me que o que e sentia era amor genuíno, o que, apesar de ser verdade, de genuíno não pode ter quase nada. Quero-te de mil e uma maneiras, mas no fim do dia tudo o que desejo é estar nos teus braços, de uma maneira ou de outra. Isso acaba aqui. (Repito e repito, - mas desta vez é a sério, tem de ser). Estou farta de procurar por ti e seres tu a encontrar-me num contexto completamente diferente; estou farta de que me deixes a falar para o boneco; estou farta de saber histórias tuas com outras gajas quaisquer e de odiar a tua ex-namorada (ou atual, sinceramente, vocês que se entendam) sempre que passa por mim. Apesar de seres aquilo com que mais me importo, eu não quero saber o que fazes com a tua vida. Estou farta de me importar contigo e não receber nada em troca.

Por muito que me custe, quero que parte de ti saia de mim porque eu já não aguento mais este sentimento - o que quer que ele seja. Eu adoro-te, mais que tudo, mas tenho que pensar no que é melhor para mim, e apesar do meu coração querer esperar por ti sei que o certo é seguir em frente. Não sei como o vou fazer, nem sequer sei se vou conseguir, mas tenho que tentar de novo; e se falhar terei que voltar a tentar, mil vezes se for preciso.

Não sei se isto é uma carta de despedida, mas se for quero que saibas que nunca o quis fazer. Não te vou procurar mais, para nada, mas tens que saber que serei sempre um ombro amigo, e que se me procurares eu vou estar lá para ti.

Só quero que sejas feliz, não importa o que disse anteriormente à cerca de todas as outras - talvez só estejas à procura da tal. Por muito mal que me vá sentir, espero que a encontres, porque se estiveres feliz também eu hei-de estar. 

1 comentário:

  1. Por vezes custa a reconhecer que se quer mais da outra pessoa do que ela quer de nós. Mas quando o percebemos, temos o dever de ter a força de seguir em frente, deixando para trás tudo aquilo que não nos faz feliz - mesmo que isso fosse tudo aquilo onde queremos encontrar a felicidade. Força :) Melhores dias virão e, com certeza, um dia será mais fácil entender que correr atrás do que foge de nós, é sempre uma maratona inglória.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar

Deixa aqui o teu comentário com a tua opinião sobre o post, de modo a que eu possa melhorar o Primavera Estacional.

Deixa também o link do teu blog para eu passar por lá!