segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

ACMA: Ser Eu Mesma Implicava Tanta Coisa


Haver

Este mês estou de volta ao projeto ACMA, criado pela Ju do Cor Sem Fim, como já devem de saber pelo meu último post. Decidi participar de novo, pois acho que esta é uma oportunidade de aprender mais e também falar-vos de outras coisas que, possivelmente, não trataria num outro post aqui no blog.

Se no mês passado o tema era (Re)Começos, então esta publicação não poderia levar outro caminho senão o que vem pela frente, tendo em conta que o tema deste mês é, nada mais nada menos, que Sentimentos.

Nunca fui muito boa a expressar os meus, porém gostava de o poder fazer; gostava de dizer aquilo que sinto; gostava de fazer aquilo que quero - agora estou bem melhor, mas raramente o fazia, tudo por causa deles, os outros. Nunca fazia ou dizia aquilo que realmente queria porque tinha medo do que os outros poderiam pensar, tinha medo daquilo que achavam de mim. Medo? Bolas, eu sentia-me apavorada. Eu queria ser perfeita e queria que toda a gente gostasse de mim, queria integrar-me e, à medida que o tempo foi passando e me tentei moldar àquilo que eles preferiam, àquilo que eles poderiam aceitar, acabei por me esquecer de mim e deixar de parte o que realmente me fazia feliz - ser eu mesma.

E ser eu mesma, implicava tanta coisa. Durante algum tempo centrei-me em esconder quem eu era por perceber que me achavam tonta por coisas que eu dizia, fazia ou até por coisas que gostava; tentei mudar porque me sentia envergonhada por ser diferente, por gostar de coisas que eles não gostavam, por não ser perfeita. Esse foi um dos grandes erros, tentar mudar para servir nos padrões, uns criados por pessoas que nem sequer gostavam de mim e outros por pessoas a quem eu nem sequer tinha razão para querer agradar. E mudei. Mas não mudei por eles, mudei por mim.

Não sei quando, como nem porque é que aconteceu, mas finalmente comecei a aceitar-me da maneira que sou, e finalmente percebi que não importa o que os outros pensam ou querem, importa sim aquilo que eu penso e aquilo que eu quero. E foi aí que deixei de pensar nos outros, foi aí que comecei a pôr-me em primeiro lugar, e deixei de me preocupar com aquilo que os faria feliz. Comecei a agir da forma que queria, dizer o que me apetecia, e deixei de "gostar" e vestir as coisas que lhes preferiam. Tornei-me livre, e garanto que foi uma das melhores decisões da minha vida: deixar as opiniões dos outros para trás e concerntrar-me em mim mesma. Como diria a minha primeira banda preferida (D'ZRT), vesti a força de vontade, despi toda a falsidade, e foi assim que consegui.

Sinto-me tão mais feliz, confiante e despreocupada agora que não quero saber do que têm a dizer; e espero que, quem quer que seja que esteja a fingir ser uma pessoa que não é, que pare. Todos conseguimos ser nós mesmos, basta sermos um pouco egoístas e deixar de pensar nos outros, basta pensarmos em nós. Já não me importa se acham as minhas ideias tontas, se acham que algumas das minhas atitudes são enfantís ou se não lhes agrada a maneira como me visto; o que me importa é que eu gosto das minha ideias, das minhas atitudes e da maneira como me visto; e isso é o mais importante.

Portanto, se para ti seria importante participar neste projeto sabe já que também o podes fazer! Basta enviares um e-mail para o corsemfim@gmail.com!

 Visitem também outros blogs que participaram neste projeto!

8 comentários:

  1. É sempre difícil aceitarmos o que somos e que nem todos vão gostar de nós, mas acho que é muito importante teres aceite que aquilo que és é o que faz de ti tu e diferente de todos os outros!
    Achei o post super interessante!
    Beijinhos

    http://wallflowerbyines.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes também é necessário levarmos um abanão para que isso aconteça, mas no final, o importante é sermos felizes!
      Obrigada, beijinhos Inês

      Eliminar
  2. É tão importante aceitarmo-nos como somos! Gostei da publicação! :)

    A Marca da Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, além de que só tempos a capacidade de sermos nós mesmos, a partir do momento que nos aceitamos.
      Obrigada, beijinho

      Eliminar
  3. Gostei muito do post. Acho que foi uma ótima maneira de abordar o tema e acho que passaste uma ótima mensagem que espero que chegue a todos os teus leitores! Gostei mesmo, mesmo muito!

    Um beijinho,
    Bia do Bookahholic.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito. A opinião mais importante sobre nós é a nossa, e saber isso vale muito. bjs

    ResponderEliminar

Deixa aqui o teu comentário com a tua opinião sobre o post, de modo a que eu possa melhorar o Primavera Estacional.

Deixa também o link do teu blog para eu passar por lá!