Carta Ao Meu Futuro Eu


Carta

Patrícia,

Quero que leias esta carta daqui a cinco anos, mais precisamente em 2022, por isso, se estás a fazê-lo antes quero pedir-te que pares. Quero escrever-te, dizer-te como as coisas vão por aqui e como espero que vão por aí; contar-te como espero que finalmente tenhas realizado todos os meus sonhos - talvez nossos - e que sejas realmente uma profissional de sucesso.

Não me lembro muito bem daquilo que era, de quem eu era, há cinco anos atrás mas quero que tu saibas quem foste, que eu sou e porque faço o que faço. Gostava que olhasses para trás e soubesses o quão mudaste nos teus últimos cinco anos. Terminaste a tua licenciatura? - Ah, desculpa; a nossa. Onde é que estás agora a trabalhar? Por favor, diz-me que encontraste emprego na área da literatura ou turismo. Já vives sozinha? Já tens um carro? Já foste a algum casting? Diz-me que já foste a Praga, tiveste que ir! E a Paris? Se foste a Paris então rapariga, estou mesmo muito contente por ti, espero que te tenhas divertido e que ainda te divirtas, de todas as maneiras. Felicidades. Se não, deixa lá. Ainda há muito por vir na vida.

Lembro-me que há cinco anos atrás, dez para ti, mal tinha acabado de entrar no secundário, em Ciências e Tecnologias, e agora olha para mim... Lembro que não muito tempo antes estava numa fase horrível da minha vida mas que, vendo agora, não era nada de especial comparado com coisas pelas quais já passei e fiz. Mas já passei mesmo, agora estou bem. E tu, estás? Espero sinceramente que estejas, e que já não tenhas que passar por estas coisas todas chatas e aborrecidas que me sugam a vida do dia para a noite. Lembro-me também que rejeitei o amor de alguém, e é só isso que me lembro desses tempos. Ai Patrícia, quantos amores mais já rejeitaste tu? Um? Nenhum? Pois, por cá não rejeitei nenhum - bom, talvez um, mas sem certezas -, mas já sabes como as coisas são. Ou talvez nem saibas; talvez os cinco anos entre mim e ti tenham sido tão loucos e diferentes que já nem saibas nada de como as coisas são, ou eram, ou sei lá.

Como já disse, por aqui as coisas vão melhores, pelo menos à primeira vista. Chumbei naquele exame, aquele que queria mesmo passar, lembraste? Foi horrível e desgastante, odiei-me dia e noite e às vezes ainda odeio. Para ti já nem deve de ser nada, já deves de saber a matéria de trás para a frente, com manhas e artimanhas, de olhos abertos ou fechados. Fechados não, que só Deus escreve direito por linhas tortas! Mais não se passa. Vou trajar  daqui a uns dias (3, para ser exata). Estou super entusiasmada, já tu nem sequer já deves poder usar o traje! Aposto que estás a pensar em como o tempo passa; ou se calhar a tua vida mudou tanto que tudo isto te parece ter sido há uma eternidade atrás. Por um lado espero que sim, porque pode significar que te esforçaste e trabalhaste o suficiente para terminar tudo a tempo e que arranjaste algo bom para ti; por outro espero que não, porque não quero que percas algumas das amizades fantásticas que fiz por estes lados. Ainda de dás com a Tatiana e a Alexandra? Ah, as minhas madeirenses, das melhores pessoas que conheci aqui pela Universidade. Nem vou perguntar se ainda te dás com o gangue da menopausa, porque caso não te lembres vocês têm uma festinha marcada para daqui a uns quantos anos, não se podem separar. Por nada.

A semana passada fui ao casamento da Inês. Ora aí está uma coisa que mudou imenso nos últimos cinco anos! Ela terminou o secundário, já teve um filho e já casou! Sei que não falamos muito, mas estou contente que ela tenha querido partilhar um dia tão especial para ela comigo. O resto continuamos todas umas solteironas, exceto a Mariana e a Catarina. Conta-me (queria tanto poder ter as respostas neste momento!) A Ana e Margarida, como vão? Espero que elas, também, tenham encontrado alguém especial, de quem gostem e que goste realmente delas. Já merecem - e eu também mereço! Por isso é bom que já tenhas encontrado alguém para te aquecer os pés à noite (de vez em quando, nada de casamentos para já), porque se continuas com os pés tão frios como os meus... 

Na Universidade também está a correr tudo bem. Como sabes, passei a tudo no primeiro ano, o que é fantástico, e agora devia de estar a estudar para a frequência que tenho amanhã - mas não te preocupes, já estudei um pouco, e a matéria é relativamente fácil, além disso a frequência é com consulta! Quando estiveres a ler isto, espero que já tenhas acabado o curso (de preferência nos três anos certos), e que tenhas conseguido um emprego num hotel ou numa agência de viagens ou algo do género; e se foste para um hotel e te mandaram para as limpezas não desanimes! É por baixo que se começa, e Cesar Ritz não chegou onde chegou do dia para a noite, pois não? Ah, viste? Um bocadinho de matéria, para ver se ainda te lembras.

Vai com calma. Eu sei que o que querias mesmo era abrir o teu hotel, porque é o que eu quero, mas ambas sabemos que não é fácil gerir um negócio, muito menos um assim. Por isso, se estás naquela fase em que já passaram não sei quantos anos desde que terminaste a licenciatura e já todas as pessoas que conheces trabalham na área de que gostam mas tu não, não desesperes. Só te peço que não te metas num trabalho que odeies e que fiques lá trancada para sempre. 

Imagino-te a viver num T0, em Lisboa, ou até mesmo aqui em Évora, com um gatinho de estimação e um trabalho bom e que te deixe feliz ao acordar de manhã cedo. Mas diz lá a verdade, ainda vives com os pais não é? Por outro lado, o que gostava mesmo era que tivesses arranjado um emprego mesmo bom, que te tivesse dado dinheiro suficiente para te armares em louca e ires para os Estados Unidos tirar uma formação em representação e depois seguir esse caminho. Não era nada mal pensado, se por acaso ficares sem emprego e tiveres uns trocos guardados, já sabes!

Agora tenho que ir, tenho que continuar a estudar para que possas ter um bom futuro, e espero não te desiludir. Sei que não me tenho esforçado nada demais, mas quero realmente começar a fazê-lo. Repito, vai com calma. O que quer que seja que se esteja a passar na tua vida está somente a fazer isso, a passar, e quando menos deres por isso, já vai ter passado. Não sei como terminar isto mas, peço-te por tudo, torna-te alguém de quem eu me orgulharia.

Com todo o carinho e esperança do mundo,
Tu, há cinco anos atrás. 

You Might Also Like

4 comentários

  1. Respostas
    1. Quero realmente ler a carta apenas daqui a cinco anos, vamos ver como corre!

      Eliminar
  2. Adorei ler este post e acho que me inspiraste a escrever um semelhante, quem sabe!

    Nomeei-te para uma TAG lá pelo blogue [http://inesmartinsxx.blogspot.pt/2017/10/dia-31-irmandade-de-bloggers-tag.html]

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque não? Tenho a certeza que o resultado vai ser bom, e é sempre uma boa experiência escrevermos ao nosso futuro ou passado eu, como um modo de resolver e organizar as coisas!

      Obrigada, vou passar pelo blog e ver! Beijinhos Inês!

      Eliminar

Deixa aqui o teu comentário com a tua opinião sobre o post, de modo a que eu possa melhorar o Primavera Estacional.

Deixa também o link do teu blog para eu passar por lá!