Quero Ser Diferente


Diferente

Tenho olhos escuros e um cabelo baralhado. Já fui muitas e muitas mais quero ser.
 
Cheguei à conclusão que já não me identifico com nada; nem com a música, nem com festas nem saídas, nem com alguns dos meus amigos, nem com a escrita, nem com a arte. E a verdade é que eu tento, mas não consigo, porque continuo a tentar ser quem não sou. Só que não posso ser eu mesma, porque essa eu ainda não conheço. conheço apenas farsas e máscaras que até eu pensava serem reais. Não sei quem sou, nem no que sou boa, muito pelo contrário. Sei que não sou boa a descrever-me, para começar; que não gosto do que os meus amigos gostam (ou melhor, que eles não gostam do que eu gosto); que não fui feita para trabalhar ou que simplesmente sou demasiado preguiçosa para fazê-lo; sei que ainda não me descobri e que não é ficando aqui que o vou conseguir.

Não posso fazer nada e, portanto, assim irei permanecer, tal como (não) sou, escondida; um mistério que só eu mesma pareço estar interessada em desvendar. 

Mas o pior mesmo é saber que não me identifico com nada. Sou banal. Desisti da escrita, onde uma vez fui boa e já não sou, quizá nunca mais serei. Sou banal. Como os outros. Já não escrevo, e já nada me encanta. Mas eu não quero ser banal, quero ser diferente, quero olhar para o mundo e ver aquilo que ele tem de especial. Eu não quero ser banal, quero poder olhar em volta, ver aquilo de bom que o mundo tem para nos dar, aquilo que o mundo tem para me dar. Eu não quero ser banal, e quando digo isto, refiro-me a tudo o que os outros são, refiro-me àquilo que não quero ser, porque eu quero é ter talento, é pôr a minha alma em tudo o que faço, ou pelo menos em alguma coisa, mas não consigo; não consigo porque sou banal, e hoje em dia ser banal é mau. É mau, porque quizá não sejamos o que somos realmente.

E é isto que me assusta. Julguei até agora que era realmente diferente e que poderia mudar o mundo para melhor, mas eu não consigo. Pensava que tinha algo que especial, uma paixão pela escrita, mas até essa parece estar a desaparecer. Pensava que tinha algo de diferente, algo puro, algo por onde me exprimir, mas a verdade é que não.  A verdade é que parece que já nada do que faça liberta a minha alma, e isso magoa. Parece que já não consigo expor-me a mim mesma em qualquer que seja a ação, e tudo o que quero fazer agora é desistir. Desistir da escrita, desistir de ser atriz, desistir de ouvir música, desistir dos meus sonhos, desistir da vida, da arte; só que, ao mesmo tempo, eu não quero desistir disso tudo, porque é isso tudo que me torna alguém - o alguém que quer ser diferente. O problema é que fui tantas pessoas, perdi-me em todas as personagens e historias que criei e li, e agora continuo perdida, no meio das sombras das árvores que um dia alguém tão amavelmente plantou. Mas já nem nisso eu consigo ver alguma beleza. 

Patrícia Dedeiras. Autoretrato. Oficina de Escrita Criativa. Línguas e Literaturas, Universidade de Évora.


You Might Also Like

7 comentários

  1. Nem tenho palavras para explicar a sensação que este texto provocou em mim, porque podia ter sido eu a escrevê-lo. Do início ao fim senti-me nas tuas palavras, porque partilho dos teus anseios, das tuas dúvidas, das tuas incertezas e inseguranças. Em relação à escrita, que é a minha paixão mas que parece que perdi o jeito e o gosto, em relação ao trabalho, à não-identificação com tudo o resto, à criação de personagens; ao medo de ser vulgar...Mas se te serve de consolo, acho que consegui conciliar-me com isso tudo recentemente. Pelo menos numa forma que é confortável para mim e que me permite desfrutar da vida de uma forma muito menos auto-recriminatória do que antes. O segredo é simples: eu não tenho de ser nada. Não tenho de ser banal ou diferente, escritora ou bem-sucedida no trabalho, artista ou qualquer outra coisa. Posso ser tudo e nada ao mesmo tempo, sem pressões, sem limites na definição, sem colocar tudo em gavetas. O meu nome é Daniela e eu gosto de coisas, no geral. Não gosto de nada de forma tão particular que me faça dedicar de corpo e alma a uma área ou interesse, como tanta gente à minha volta. Não tenho aquele talento que me move, que faz os outros reconhecerem-me por isso, nem a mim própria. Mas gosto de umas quantas coisitas que me entusiasmam e que vou pondo em prática aqui e ali, enquanto me encanto pela vida. Espero sinceramente que encontres esta paz que eu estou a alcançar aos pouquinhos, e que sejas capaz de te reconhecer como única no conjunto de coisinhas que fazem de ti o que és :)

    Beijinhos,
    Daniela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que disseste fez-me sentir realmente um pouco melhor. É bom saber que há sempre alguém que se sente como nós, e que não estamos sozinho, no que quer que seja. Ainda ando um bocadinho perdida, e tudo mais, mas tenho a certeza que chego lá!

      Beijinhos!

      Eliminar
  2. adorei o teu blog! ganhaste uma nova seguidora!
    passa no meu e diz o que achas!
    beijinhos
    http://eyeelement.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Visitarei, com certeza, o teu! Beijinhos

      Eliminar
  3. Adorei ler este post :O muito interessante mesmo!!!

    Nomeei-te no meu blog para um prémio, passa lá para veres: http://coachjoanarodrigues.blogspot.pt/

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Joana, muito obrigada! Vou passar por lá para ver do que se trata, haha

      Beijinhos

      Eliminar
  4. Oh well... não me conheces e eu não te conheço, mas sei que nada do que demonstras acreditar neste post é verdade e sabes porquê?
    Porque olha para os teus olhos, grandes e cheios de paixão.
    Porque olha para o teu sorriso, rasgado e sentido.
    Porque olha para as tuas palavras, preenchidas de emoções que pulsam nas tuas veias e artérias e que percorrem o teu corpo como se de uma chama se tratasse.
    Come on... girl, não és perfeita, ninguém. Não te achas perfeita agora, queres desistir e acho que o deves fazer.
    Deves desistir dessa ideia de não seres tão linda como uma flor quando a tua face transborda de beleza
    Deves desistir dessa ideia de que não sabes escrever quando as tuas linhas mostram um mundo, um mundo só teu
    Deves desistir dessa ideia de seres banal, quando de banal nada tens
    Deves desistir dessas ideias porque nos meus olhos, aos olhos do mundo és especial.
    Keep going

    Continua a perseguir o meu blog sff. Eu continuo a perseguir o teu ;)

    ResponderEliminar

Deixa aqui o teu comentário com a tua opinião sobre o post, de modo a que eu possa melhorar o Primavera Estacional.

Deixa também o link do teu blog para eu passar por lá!